viver feliz

os excessos de confiança (que não deveriam existir)

Não gosto da sensação de invasão. Não gosto que assaltem a minha vida, em palavras. Não gosto dessas pessoas. E são muito muito poucas, mas lixam-me a cabeça.
Eu sei que a culpa é minha. Não deveria permitir que isso acontecesse, é excesso de confiança. E depois fico triste. Acreditem, de mim nunca ninguém irá ouvir palavras menos boas sobre a sua vida. Não avalio a vida de ninguém, nem sequer o consigo fazer e muito menos tenho interesse nisso. Não tenho esse direito. Tal como ninguém tem. Mas já percebi que há pessoas que avaliam tudo e pior que avaliar, comparam com a sua própria vida. E a partir daí as coisas descambam… há sentimentos menos bons e são ditas as tais palavras, que parecem em tom de brincadeira, mas que revelam tudo.

É difícil toda esta digestão. Fico triste e chateada. Mas foi um dos pedidos para 2018, conseguir superar as pessoas menos “saudáveis”, conseguir que isso não me afecte, conseguir ser totalmente indiferente em determinadas circunstâncias, em determinadas conversas e com determinadas pessoas. Conseguir não ouvir. Conseguir ignorar. Conseguir esquecer. Conseguir compreender que não somos todos correctos.

Até que ponto podemos opinar sobre a vida das outras pessoas?
Até que ponto podemos avaliar e ironizar a vida de alguém?
O que leva as outras pessoas pensarem que podem dizer tudo? Não há filtros? Não há limites?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *